Pelas estradas da fé


Publicado em 20/10/2017 às 15:30:58
Categoria(s): Academia,

Os caminhos da fé também podem ser percorridos sobre duas rodas! Prova disso é que, mais uma vez, alunos da Turma do Pedal da Academia Clube Náutico enfrentaram chuva, sol, grandes subidas e descidas cheias de emoção para percorrer 320km até a Basílica de Nossa Senhora Aparecida.

Foram 5 dias de viagem – pedalando cerca de 12h por dia – que culminaram em muitas histórias de superação, companheirismo e devoção. E para suportar todo esse desgaste, somente com uma preparação física bem planejada, tendo por suporte a Academia Clube Náutico.

 

Superação dos próprios limites

A turma nauticana – formada pelos associados José Américo Viega, Cássio Amaral, Sérgio Barbeiro, Renata Viviani, Luiz Fernando Viviani, Antonio Freitas, Orestes Fattori Filho (Tinho), Adriana Cerne Aufieri, Alexandre Lemos, Sibele Toledo, Marcelo Pedro Antonio, Miguel Salvajoli e José Teciano – iniciou a grande aventura no dia 11 de outubro, saindo de Águas da Prata. “Foram novamente 5 dias de muita força – física, mental e espiritual. Algumas das dificuldades foram vencidas mais facilmente, pois já tínhamos a experiência acumulada do ano passado, porém, sempre surgem novos obstáculos – dores inimagináveis, mudança brusca no clima, entre outros percalços – que, em união, conseguimos vencer”, afirma Alexandre Lemos, que já realizou o Caminho da Fé em 2016, junto com sua esposa Sibele Toledo. Alexandre lembra da mudança realizada neste ano. “No último dia, nós seguimos pelo chamado “Percurso Antigo”, o que nos proporcionou momentos únicos”, ressalta.

Para Sibele, este ano teve um gosto de grandes limites vencidos. “Enfrentei de frente a Serra da Luminosa – uma das subidas mais difíceis de se realizar –  e consegui subi-la pedalando. Algo que no ano passado não consegui fazer”, relembra, com um grande sorriso nos lábios. “Neste ano, para mim, a grande dificuldade foi o sol. O calor era intenso em praticamente todos os dias da viagem”, ressalta.

 

Novatos cheios de energia e fé

Além dos veteranos, a turma contou com novatos, como foi o caso da Adriana Cerne Aufieri, que, impulsionada pelas histórias dos amigos que vivenciaram a experiência em 2016, se preparou e enfrentou o desafio. “Faço parte da Turma do Pedal desde o primeiro dia! Me apaixonei pelo ciclismo! Não pude acompanhar o pessoal no ano passado, mas este ano fui e já estou pensando no ano que vem!”, afirma, rindo. “É uma verdadeira superação. E ainda passar por essa experiência com essa turma tão unida, foi incrível. Somos uma verdadeira família. Nos apoiávamos a todo instante. O pessoal lavava a bicicleta do outro, arrumava, e sempre iniciávamos nosso dia com uma oração. Esses momentos me emocionaram muito, assim como a chegada na Basílica, onde não consegui segurar as lágrimas”, afirma a ciclista, que comemorou o aniversário da filha de 18 anos, Mariana, durante o percurso. “Nos encontramos em Campos de Jordão, onde comemoramos o aniversário dela, e depois na nossa chegada em Aparecida. Foi realmente emocionante”, lembra.

O casal Renata Viviani e Luiz Fernando Viviani também enfrentou os desafios do Caminho da Fé pela primeira vez. Segundo Renata, a vontade de realizar este percurso surgiu há muitos anos, desde que o casal fez uma viagem à Espanha e conheceram Santiago de Compostela. “Adoro Nossa Senhora Aparecida desde pequena, quando encontrei, aos 3 anos de idade, uma imagem dela no tanque de areia do parquinho da escolinha em que eu estudava. Meu desejo de participar foi crescendo à medida em que eu ouvia histórias de pessoas que faziam o Caminho da Fé. E eu senti que precisava fazer o caminho até o Santuário para agradecer tudo de bom que a vida me deu e que ainda vem me dando. Com o apoio de meu marido, Luís, que abraçou o meu desejo, tornou-o real e me ajudou durante todo o caminho, me dando forças para continuar, este ano consegui realizar meu sonho”, conta.
Sobre os amigos do grupo, Renata os coloca como grande incentivadores. “Conviver com pessoas amigas nesse trajeto me ajudou a superar a dor e o desejo de desistir”, afirma.

Assim como Adriana e todos o participantes do grupo, Renata também não conteve as lágrimas ao chegar em Aparecida e avistar a Basílica. “Foi uma mistura de alegria, de gratidão a Nossa Senhora por não ter me deixado desistir, e do sonho realizado junto com o meu marido. Essa jornada de fé ficará para sempre em minha vida, mostrando que quando a gente deseja muito algo e quando a gente tem muita fé, não há obstáculos que não podemos superar! Meu agradecimento àquele que me deu força e não me deixou desistir: meu marido Luís!”.

 

 

Academia Clube Náutico: focada na preparação dos alunos

A aluna Adriana Cerne Aufieri é um bom exemplo de como a Academia Clube Náutico foi essencial para a preparação dos ciclistas para que pudessem enfrentar, da maneira mais tranquila possível, o desafio. Adriana intercalou as aulas de spinning, os treinos da Turma do Pedal e outras atividades físicas para se fortalecer. “Eu não queria atrapalhar o grupo. Por isso, foquei no meu preparo e intensifiquei meus exercícios na Academia Clube Náutico, nas aulas de spinning e musculação, além de atividades fora, e nas trilhas que fazemos na Turma do Pedal, sempre com o apoio e a motivação do nosso professor Elton”.

A aluna Renata também enfrentou o treino pesado na Academia para se preparar. “O maior desafio que tive que enfrentar foi o tempo para treinar. Da equipe que fez o caminho, eu era a mais despreparada fisicamente. Por isso, contei com o apoio dos professores da Academia que preparam meu treinos indoor, as aulas de spinning, além dos treinos outdoor, com a Turma do Pedal”, conta.

Segundo a coordenadora da Academia, Mariana Loffredo, o treino para essa turma de ciclistas focou na musculação, aulas de bike indoor e nos treinos outdoor, com as aulas da Turma do Pedal. “Como realizado no ano anterior, o planejamento para o período de treinamento do caminho da fé foi de extrema importância.

Como explica o professor Elton Inada, responsável pela modalidade, “foi elaborado uma periodização voltada para força, potência, resistência e períodos de regeneração, para que os alunos atingissem o máximo de sua performance, sem riscos de lesões durante esse período de preparação”.

Mariana e Elton ressaltam que, em alguns treinos da Turma do Pedal, foram escolhidas trilhas que lembravam as características dos trajetos que eles iam enfrentar no Caminho da Fé. Além disso, os professores também intensificaram os treinos da musculação para o grupo. “A musculação é um exercício complementar muito benéfico ao ciclista, pois colabora com o aumento da densidade óssea, ajuda na consciência corporal do cliclista sobre a bicicleta, ameniza possíveis desvios ou desequilíbrios musculares, além de otimizar o ganho de massa magra”, avaliam.

 

Força feminina

Durante o percurso, algo que chamou a atenção do grupo foi a falta de mulheres participando dos grupos de ciclistas que cruzaram o caminho do nosso pessoal. “Isso veio de encontro ao nosso grupo inteiro, pois estávamos em 7 mulheres, sendo 3 associadas do Náutico”, afirma Sibele.

“Foi uma alegria ter tantas ciclistas juntas. E  o apoio de todos, a todo instante, foi essencial para que finalizássemos esta viagem de forma tão positiva”, avalia Adriana.

 

Diversão na estrada

“Causos” não faltam ao fim da viagem. Relembrá-los é vivenciar momentos cheios de alegria que, com certeza, não serão esquecidos pela turma.

“No ano passado, nosso amigo José Américo sofreu um acidente em uma descida. Graças a Deus, ele se recuperou rapidamente. Neste ano, levamos uma plaquinha onde estava escrito “Descida do Zé Américo”, sem ele saber. Quando chegamos no local, fizemos uma “cerimônia” de entrega da placa, que ficou pregada na estrada”, contam os atletas.

“Num outro ponto puxado do caminho, encontramos um garapeiro. Porém era o primeiro dia de trabalho dele, que não sabia fazer garapa! Nossos amigos Miguel e Serginho Barbeiro, gentilmente, o ensinaram e fizeram a garapa, para a nossa felicidade!”, relembram, sempre aos risos.

E para comemorar mais um grande desafio vencido, tem jantar de confraternização organizado pelo grupo e feito pelo chef Alexandre! “No cardápio teremos seis tipos de massas e molhos, além de um pintado grelhado ao molho de ervas”, conta o cozinheiro, deixando todos com água na boca. Além de comemorar, sabem o que mais eles fazem nesse jantar? “Combinamos a próxima aventura”, finalizam.